2007/09/04


Linguagem e medo global

Na era vitoriana as calças não podiam ser mencionadas na presença de uma menina.
Hoje não fica bem dizer certas coisas na presença da opinião pública.
O capitalismo ostenta o nome artístico de economia de mercado, o imperialismo chama-se globalização.
As vítimas do imperialismo chamam-se países em vias de desenvolvimento o que é como chamar crianças aos anões.
O oportunismo chama-se pragmatismo, a traição chama-se realismo.
Os pobres chamam-se carentes ou carenciados, ou pessoas de parcos recursos.
A expulsão das crianças do sistema educativo é conhecida sob o nome de abandono escolar.
O direito do patrão a despedir o operário sem indemnização nem explicação chama-se flexibilização do mercado laboral.
Existe hoje uma palavra mais moderna flexigurança. Sempre a evoluir.
A linguagem oficial reconhece os direitos das mulheres entre os direitos das minorias, como se a metade masculina da humanidade fosse a maioria.
Ás torturas chamam-se pressões legais, ou também pressões físicas psicológicas.
Quando os ladrões são de boas famílias, não são ladrões mas sim cleptómanos.
O saques dos fundos públicos pelos políticos corruptos responde pelo nome de enriquecimento ilícito.
Os mortos em batalha são baixas, e as de civis que as acompanham são danos colaterias.

ASSIM VAI A VIDA

Autor desconhecido

Etiquetas: ,

1 Comentários:

Às 7:36 da tarde , Blogger Samir Machel disse...

desconhecido mas esclarecido...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial